segunda-feira, 22 de agosto de 2011


"JUSTIÇA OUVE TESTEMUNHAS DO ACIDENTE ENTRE UM ÔNIBUS E UM TREM EM AMERICANA, O ACIDENTE ACONTECEU O ANO PASSADO"

Quatorze testemunhas de acusação do processo sobre o acidente entre um trem e um ônibus na passagem de nível no Centro de Americana, em setembro do ano passado, foram ouvidas ontem e confirmaram que o sinal sonoro e visual estava ligado. Uma nova audiência para ouvir as testemunhas de defesa e o motorista do ônibus, Alonso de Carvalho, foi marcada para 25 de novembro.
À Justiça, 14 testemunhas acusam motorista de ônibus em choque com trem em Americana


No acidente envolvendo o ônibus da VCA (Viação Cidade de Americana), dez pessoas morreram e 16 ficaram feridas. Doze vítimas prestaram depoimentos, além de dois guardas municipais. “Hoje marcamos uma audiência para ouvirmos todo mundo da parte de acusação, e conseguimos. Já marcamos o dia de ouvir as testemunhas de defesa, e depois disso, posso concluir o processo”, afirmou o juiz da 1ª Vara Criminal de Americana, André Carlos de Oliveira.
O juiz disse que os depoimentos foram todos na mesma linha, e confirmaram que houve um aviso, tanto sonoro, quanto visual, na hora em que o ônibus fazia a travessia. “As vítimas relataram o fato em si e suas impressões pessoais. Mas todas confirmaram que houve um aviso”, continuou.
Oliveira disse que não terá um parecer conclusivo antes de ouvir as testemunhas de defesa, porque as pessoas que foram depor ontem teriam outros interesses. “Eles estão com ação indenizatória contra a empresa de ônibus e, por isso, a palavras têm um valor parcial. O motorista também precisa contar a versão dos fatos”, disse.
Em dezembro, o Ministério Público ofereceu denúncia à Justiça, com base no inquérito da Polícia Civil, que responsabilizou o motorista pelas mortes. Ele foi indiciado por homicídio culposo e lesão corporal culposa - quando não há intenção de matar.
DEFESA
Renan Nogueira Farah, advogado de defesa do motorista do ônibus, disse que os depoimentos seguiram a linha que ele esperava. “Todas seguiam o mesmo estilo de depoimento e querem a condenação, porque, logo depois, a ação de indenização poderá sair”, disse.
O motorista de ônibus preferiu não se pronunciar. O advogado disse que ele está com problemas de saúde. “Ele sofre até hoje com isso, sonha com os gritos dos passageiros, e por isso, o que temos que entender aqui é que aquilo foi um grande acidente. Lamentamos muito todo o ocorrido e há mortes a chorar, porém, não há crime a condenar”, disse Farah.
O advogado da VCA, André Nardini de Oliveira, foi à audiência, mas não falou com a reportagem. A ALL (America Latina Logística), concessionária do transporte ferroviário, informou, por assessoria de imprensa, que não iria se pronunciar.



Fonte: jornal todo dia  / notícia FM

Nenhum comentário: